O mundo segue com atenção o caso do foguetão chinês Long March 5B, de 21 toneladas, que está a cair “de forma descontrolada” em direção à Terra, estando a entrada na atmosfera prevista para esta madrugada.

O foguetão chinês Long March 5B descolou no dia 29 de abril e colocou em órbita o módulo Tianhe da nova estação espacial chinesa. O lançamento de Tianhe foi a primeira das 11 missões necessárias para completar a estação. 

Sydney, Nova Iorque, África, América do Sul ou partes da Ásia foram alguns dos locais apontados como prováveis para o impacto de alguns dos destroços.

Embora muito afastadas entre si, os cientistas delimitaram estas localizações como sendo algumas das áreas do planeta susceptíveis de ser alvo dos destroços. No entanto, o cenário mais credível para o local do impacto deverá ser o mar, uma vez que cerca de 70% da faixa geográfica analisada é composta por água.

Quanto à hora do impacto, o Serviço de Vigilância e Rastreio de Objetos no Espaço da União Europeia definiu que o impacto deverá acontecer por volta das 03:11 da madrugada do dia 9 de maio, hora de Portugal continental.  

Recorde-se que na quarta-feira os EUA revelaram estar a acompanhar a trajetória do foguetão e revelaram não ter qualquer plano para abater a aeronave. Já o Global Times, um tablóide chinês, qualificou as notícias de que o foguetão está "fora de controlo" e poderá causar danos como "propaganda ocidental". "Não vale a pena entrar em pânico", disse o jornal, citando fontes da indústria espacial chinesa.

A última vez que um objeto de grandes dimensões fez uma “reentrada descontrolada” na Terra foi em 1991, quando a aeronave russa Salyut 7, com 39 toneladas, caiu na Argentina.

O recorde da maior reentrada descontrolada pertence aos Estados Unidos, quando a estação Skylab, de 79 toneladas, despenhou-se, largando um rasto de detritos entre o oceano Índico e a Austrália.