O ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, defendeu este domingo no parlamento a aplicação, sem demoras, da lei de segurança nacional em Hong Kong, enquanto milhares de ativistas pró-democracia protestavam contra a polícia nas ruas da ex-colónia britânica.

É imperativo que a lei de segurança nacional de Hong Kong e o seu mecanismo de implementação sejam aplicados sem demora", disse Wang, em entrevista coletiva na sede do parlamento chinês, em Pequim, segundo a agência AFP.

O ministro chinês, que falava este domingo aos jornalistas na sede do parlamento, em Pequim, justificou a lei de segurança, que visa proibir a "traição, secessão, sedição (e) subversão", com os protestos registados em 2019 em Hong Kong.

Os atos violentos e terroristas continuam a aumentar e as forças estrangeiras interferiram profunda e ilegalmente nos assuntos de Hong Kong", referiu Wang Yi, considerando tratar-se de "uma séria ameaça à prosperidade, a longo prazo", daquele território.

A lei de segurança nacional foi apresentada, na sexta-feira, no parlamento de Pequim.

Para o movimento pró-democracia, trata-se de "um sério revés para as liberdades da região autónoma da China".

O documento agora apresentado surge após repetidas advertências do poder comunista chinês contra a dissidência em Hong Kong, abalado em 2019 por sete meses de manifestações que culminaram na exigência de reformas democráticas e que foram quase sempre marcadas por confrontos com a polícia.

Hong Kong regressou à China em 1997 sob um acordo que garantia ao território 50 anos de autonomia e liberdades que são desconhecidas no resto do país, de acordo com o princípio "Um país, dois sistemas".

Para o ativista Joshua Wong, uma figura do movimento de desobediência civil em 2014, a mensagem enviada pela China aos manifestantes pró-democracia não deixa margem para dúvidas: "Pequim está a tentar silenciar as vozes dos críticos de Hong Kong com força e medo", escreveu Wong na rede social Twitter.

O anúncio de Pequim pode reacender a 'chama' dos protestos depois de meses de calma, muito por causa das medidas tomadas para conter a pandemia da covid-19, num momento em que estão agendadas eleições para o parlamento de Hong Kong em setembro e depois de a ala pró-Pequim ter perdido as eleições locais em 17 dos 18 distritos.

/ CE