Quatro pessoas morreram no passado domingo quando foram engolidas por um gigantesco buraco que se abriu num passeio da cidade de Dazhou, na província de Sichuan, no centro da China.

De acordo com os meios de comunicação do país, duas das vítimas tinham-se casado dias antes. Foram retiradas ainda com vida e levadas para o hospital, mas não sobreviveram. Os dois outros mortos eram pai e filho, cujos corpos só conseguiram ser retirados esta terça-feira.

O momento do aluimento do passeio, captado por câmaras de vídeovigilância, tem sido mostrado por meios de comunicação chineses e divulgado através das chamadas redes sociais.

Após o aluimento de terras que criou uma enorme cratera, equipas de salvamento acorreram ao local, mas viriam a experimentar enormes dificuldades para salvar as pessoas que cairam no buraco, até porque as terras voltaram a ceder.

Quando chegamos, a área desmoronada não era grande. Teria apenas dois metros de comprimento e de profundidade. Mas durante o processo de resgate, houve um novo desmoronamento, causando um novo buraco de mais dois metros", contou Gao Mingyue, um comandante dos bombeiros locais à estação de televisão estatal CCTV.

Além do novo desmoronamento, as equipas de resgate tiveram ainda dificuldades em estacionar as máquinas escavadoras, devido à instabilidade do solo. Depois, surgiu o problema do emaranhado que descobriram abaixo do solo.

No buraco, os cabos atravessam-se numa confusão, incluindo duas linhas de alta tensão, fios elétricos e gasodutos", acrescentou o bombeiro.

As autoridades chinesas ainda não avançaram uma explicação cabal para o que terá provocado o aluimento do passeio na cidade de Dazhou.

Frequentemente, na China, buracos no solo surgem devido ao efeito das chuvas ácidas que dissolvem o calcário ou rocha existente por debaixo dos pavimentos, criando um vazio que cede, quando não consegue suportar o peso que está por cima.