Um homem, no Chipre, tornou-se no primeiro serial killer daquela ilha no Mediterrâneo depois de ter confessado o homicídio de sete pessoas, cinco mulheres e duas crianças, todas estrangeiras.

O corpo da quarta vítima foi descoberto numa mala retirada no domingo de um lago tóxico na periferia da capital Nicosia.

Uma segunda mala foi encontrada esta terça-feira no mesmo local, onde as autoridades esperam encontrar outro corpo, ou mais.

O suspeito, de 35 anos, sob custódia, era um oficial de carreira da Guarda Nacional cipriota.

Assumiu o alegado homicida que terá conhecido algumas das vítimas num site de encontros, onde se dava a conhecer sob o nome “Orestes”, diz a CNN citando fonte policial.

De acordo com as autoridades, as buscas vão estender-se à Internet, para rastrear se há outras mulheres, atualmente dadas como desaparecidas, envolvidas na página de encontros online e, se positivamente, terão tido contacto com este homem.

A lista de vítimas pode, neste caso, ser maior, acredita a equipa de investigadores.

Chipre tem cerca de 1.2 milhões de habitantes e nunca teve registo de casos semelhantes a este.