Um jovem de 20 anos foi detido por suspeita de estar na origem do maior ciberataque na história da Alemanha. No inicío de dezembro, centenas de políticos, jornalistas e artistas foram visados, sendo publicado nas redes sociais dados pessoais dos mesmos, como números de contas bancárias e moradas.  

A polícia alemã deteve agora um dos suspeitos, um estudante de 20 anos que vive no estado de Hesse. O jovem, autodidata em termos de Informática, mora com os pais e, até ao momento, tudo indica que o mesmo atuou sozinho, sem a colaboração de terceiros.

O meio escolhido para divulgar a informação roubada foi uma conta de Twitter, através de um utilizador anónimo.

O Ministério do Interior indica que cerca mil pessoas acabaram por ser lesadas e que a maioria da informação divulgada foram contactos telefónicos pessoais e conversas privadas. A conta acabou por ser bloqueada pela rede social.

A Ministra da Justica alemã, Katarina Barley, considerou tratar-se de um “ataque grave” com o objetivo de “sabotar a confiança na democracia” do país. Diversos partidos políticos foram igualmente atacados, com exceção da extrema-direita Alternativa para a Alemanha (AfD).

O presidente alemão Frank-Walter Steinmeier também não escapou ileso ao ataque. Na conta de Twitter foram divulgados documentos pessoais, mensagens privadas, cartas e faturas do próprio. Já a chanceler Angela Merkel viu exposto o seu número de fax, o email e diversas cartas pessoais, porém, a maior parte da informação, era já antiga. 

Esta não é a primeira vez que instituições alemãs sofrem roubos de dados. Em 2015, houve um ataque pirata à rede do parlamento que chegou mesmo a comprometer serviços e, em 2016, um grupo russo tentou roubar informações da União Democrata-Cristã (CDU). Em 2017,  o grupo de ciberespionagem APT28 conseguiu aceder aos dados do Ministérios da Defesa e dos serviços secretos.

Sobre o ciberataque provocado por este jovem de 20 anos, aguarda-se agora que o ministro do Interior, Horst Seehofer, faça um comunicado ao país a explicar os contornos do que foi o maior ataque informático já ocorrido na Alemanha.

/ MS