A Europol anunciou esta quinta-feira que conseguiu desmantelar um gangue informático que terá lesado milhares de pessoas na Europa e nos Estados Unidos. A operação motivou investigações nos Estados Unidos, na Bulgária, Alemanha, Geórgia, Moldávia e Ucrânia.

No comunicado enviado à imprensa, a polícia europeia afirma que este gangue terá roubado 100 milhões de dólares (cerca de 89 milhões de euros), atingindo 41 mil pessoas em todo o mundo.

Os crimes seriam praticados através de um malware (software danoso) intitulado GozNym. O malware funciona como um cavalo de tróia tecnológico, que permite ao seu utilizador aceder a determinados dados. Neste caso, os criminosos conseguiram decifrar o sistema de acesso bancário dos utilizadores, usando-os depois para movimentar dinheiro.

Com algumas investigações ainda em curso, há já dez acusados em Pittsburgh, Estados Unidos. Os suspeitos vão responder contra as seguintes queixas: infetar os computadores das vítimas com o malware GozNym para capturar as suas credenciais de login nos bancos; usar as credenciais de login de forma fraudulenta para ter acesso às contas bancárias; roubar dinheiro das contas das vítimas.

As vítimas pensaram que estavam a clickar numa simples fatura, mas estavam a dar aos piratas informáticos acesso às suas informações mais sensíveis", explicou o procurador da Pensilvânia, Scott Brady.

A polícia adiantou também que cinco membros da organização continuam em fuga, todos eles de nacionalidade russa. Entre os fugitivos estará o homem que desenvolveu o vírus.

Além das acusações nos Estados Unidos, os detidos enfrentam processos nos restantes países onde decorreram as investigações.

Entre os afetados estarão pequenos comerciantes, firmas de advogados, organizações internacionais e organizações sem fins lucrativos. O FBI está a trabalhar em conjunto com a Europol.

O procurador da Pensilvânia disse que este desmantelamento deita por terra uma “conspiração global”, num “esforço internacional sem precedentes”.