Duas gémeas siamesas, de apenas um ano, que nasceram unidas pela parte de trás da cabeça, foram separadas, com sucesso, durante uma complicada cirurgia no hospital Soroka, em Beersheba, Israel.

A operação exigiu meses de preparação, durou mais de 12 horas e envolveu dezenas de especialistas de Israel e do estrangeiro. Foi, ainda, planeada com modelos 3D e tecnologia de realidade virtual.

Esta é uma operação rara e complexa, que foi realizada apenas 20 vezes no mundo. Esta foi a primeira vez em Israel", afirmou Mickey Gideon, diretor de neurocirurgia pediátrica daquele hospital, em comunicado.

Após a operação, as bebés puderam, pela primeira vez, olhar uma para a outra.

Segundo os médicos, a intervenção correu "como esperavam", no entanto "os próximos dias serão críticos para o processo de recuperação".

Em Portugal, há 43 anos, a equipa do cirurgião Gentil Martins conseguiu separar com êxito o primeiro caso de gémeas siamesas no país.

 
Redação / IC