Julho de 2021 foi o mês mais quente na Terra desde que se iniciaram os registos de temperaturas, em 1880.

As conclusões são da Administração Nacional dos Oceanos e da Atmosfera dos EUA (NOAA) que corroboram as informações divulgadas na semana passada pelo Serviço de Monitorização das Alterações Climáticas do programa Copernicus, da União Europeia.

De acordo com a NOAA, no mês de julho a temperatura combinada da terra e da superfície do oceano em todo o mundo foi 1,67 graus Fahrenheit (0.93 graus Celsius) acima da média do século XX que era de 60,4º F, ou seja, 15,8º C.

A temperatura combinada no mês passado foi 0,02 graus Fahrenheit (00,01 graus Celsius) maior do que o anterior recorde anterior registado em julho de 2016, e já tinha sido igualado em 2019 e 2020.

Os sete meses de julho mais quentes de sempre ocorreram desde 2015.

"Julho é tipicamente o mês mais quente do ano no mundo, mas julho de 2021 se superou como o mês mais quente já registado. Este novo recorde contribui para a perturbadora mudança climática que está a acontecer  no globo", comentou administrador da NOAA, Rick Spinrad, citado no comunicado. "Neste caso, o primeiro lugar é o pior lugar."

Em julho deste ano, ondas de calor atingiram vários locais em todo o mundo, incluindo países europeus, como o Reino Unido, Bélgica, Alemanha, Luxemburgo e Holanda, cada um batendo os seus anteriores recordes de temperatura.

A NOAA assinala que "é muito provável" que 2021 fique entre os 10 anos mais quentes desde que há registos 

Maria João Caetano