Os partidos da oposição de Israel chegaram a acordo para formar um novo governo que poderá pôr fim ao mandato de 12 anos de Benjamin Netanyahu como primeiro-ministro.

Yair Lapid, líder do partido centrista Yesh Atid, anunciou o acordo da coligação, inédito na história de Israel, que foi assinado esta quarta-feira, pelos líderes de oito partidos de quase todo o espectro político, incluindo um partido árabe pela primeira vez

O governo terá um sistema de rotação: o chefe do partido de direita Yamina, Naftali Bennett, será primeiro-ministro nos dois primeiros anos, passando depois o lugar a Lapid a 27 de agosto de 2023

No entanto, ainda será necessária uma votação parlamentar para que o governo possa tomar posse.

Se o Governo não conseguir obter o apoio da maioria no Knesset (Parlamento) de 120 lugares, corre-se o risco de o país ter de ir às eleições pela quinta vez em dois anos.

Em comunicado, Lapid disse ter informado o presidente Reuven Rivlin sobre o acordo, acrescentando: "Prometo que este governo estará ao serviço de todos os cidadãos de Israel, daqueles que votaram nele e daqueles que não votaram".

O governo respeitará os seus opositores e fará tudo ao seu alcance para unir e ligar todas as partes da sociedade israelita."

Rivlin pediu ao parlamento que se reúna o mais rapidamente possível para realizar o voto de confiança.

No espaço de dois anos foram realizadas quatro eleições legislativas no país e Benjamin Netanyahu não conseguiu formar um governo com o bloco de direita. As últimas aconteceram a 23 de março e foram mais uma vez  inconclusivas. Nenhum partido conseguiu uma maioria para formar governo. O Likud (direita) de Netanyahu obteve 30 lugares, surgindo como maior partido, seguido-se a formação centrista Yesh Atid do líder da oposição Yair Lapid com 19 deputados.

Neste momento, existiam dois cenários em cima da mesa: novas eleições ou um "governo de unidade". 

O ultranacionalista Naftali Bennett, líder do partido de esxtrema-direita Yamina, anunciou no domingo o seu apoio à criação de um governo com o bloco da oposição liderado pelo centrista Yair Lapid, abrindo assim caminho para a queda de Benjamin Netanyahu. Desde então, os líderes da oposição têm estado em intensas negociações.

Os adversários do primeiro-ministro israelita cessante, Benjamin Netanyahu, tinham apenas algumas horas para anunciar hoje um acordo visando conduzir o país a uma "nova era" e acabar com mais de dois anos de crise política.

A ser julgado por corrupção em três casos diferentes, Netanyahu é o primeiro chefe do governo israelita acusado durante o mandato.

Maria João Caetano