A Polónia anunciou esta quinta-feira o encerramento por duas semanas de centro comerciais, grande comércio, ginásios e infantários, a partir de sábado, após registar um novo recorde diário de infeções, com 34.151, e 520 mortes atribuídas a covid-19.

O primeiro-ministro polaco, Mateusz Morawiecki, disse que a Polónia atravessa o momento mais difícil no contexto da pandemia e que os serviços de saúde estão a aproximar-se do limite das suas capacidades.

Morawiecki lançou um apelo à solidariedade e colaboração nacional por parte da oposição e alertou para o facto de, se a situação da saúde não melhorar, poder ser decretado o estado de emergência.

As novas medidas anunciadas pelo ministro da Saúde, Adam Niedzielski, impõem o encerramento de todos os estabelecimentos com mais de 2.000 metros quadrados, com exceção do comércio alimentício e farmácias.

Também é proibida a utilização de instalações desportivas, exceto para eventos profissionais, tendo sido decretado o encerramento de infantários, sendo admitidos apenas filhos de membros das forças de segurança e do exército.

Além disso, cabeleireiros, estúdios de tatuagem, salões de beleza e bibliotecas deverão permanecer fechados.

Niedzielski disse na quarta-feira que o Governo "apela à responsabilidade" dos religiosos de aplicar medidas de segurança durante as celebrações religiosas nos próximos dias.

Ao contrário de outros países, a Polónia nunca encerrou completamente as igrejas durante a pandemia.

Na semana passada, o Governo tinha já estendido a todo o país as limitações regionais que obrigavam o encerramento de centros culturais, escolas primárias, hotéis e restaurantes nas províncias com maior número de casos.

A Polónia atingiu o primeiro milhão de casos do novo coronavírus nove meses após a primeira infeção no país e atingiu dois milhões três meses e meio depois.

Desde que a primeira infeção devido ao coronavírus na Polónia, 2,15 milhões de casos e 50.860 mortes foram registados.

O Ministério da Saúde informou que 102.500 testes do novo coronavírus foram realizados na quarta-feira, o maior número até hoje.

Existem atualmente cerca de 435.000 pessoas em quarentena e 2.620 nos cuidados intensivos e mais de 75% das camas hospitalares e ventiladores estão ocupados em todo o país.

Quase 5,4 milhões de vacinas foram administradas até agora e espera-se chegar aos sete milhões de doses próximas cinco semanas.

/ MJC