Dezenas de milhares de manifestantes ocorreram esta quinta-feira em direcção à universidade de Sanaa, no Iémen, em protesto contra o presidente Ali Abdullah Saleh, que se encontra à frente do país há cerca de 32 anos, avança a agência AFP. Em sentido contrário, também se forma uma manifestação de apoiantes do regime.

Para tentar acalmar o movimento contestatário, o presidente anunciou quarta-feira que não iria recandidatar-se ao poder. No entanto, o seu apelo não terá feito eco na população, que saiu à rua na mesma.

Na quarta-feira, centenas de apoiantes do presidente do Iémen ocuparam a praça Tahrir (Praça da Libertação), na capital, para impedir os protestos convocados para esta quinta-feira.

A plataforma Encontro Partilhado, que agrupa os cinco principais partidos da oposição, decidiu então alterar o local do protesto, designado «dia da ira», que foi transferido para o complexo universitário de Sanaa, onde hoje se estão a concentrar em massa.

Os apoiantes do chefe de Estado ergueram cinco grandes tendas de campanha na praça, onde tencionam promover uma manifestação paralela de apoio a Saleh.
Redação / PO