Trinta e cinco anos depois do desastre nuclear de Chernobyl, em 1986, os efeitos das radiações continuam a fazer-se sentir.

Cerca de 95% das amostras de cogumelos selvagens recolhidas na Alemanha, nos últimos seis anos, continuam a apresentar sinais de contaminação radioativa, revelou esta sexta-feira o regulador de segurança alimentar alemão.

Concentrações elevadas de césio-134 e de césio-137, com a assinatura característica da explosão de Chernobyl, foram principalmente encontradas no sul da Alemanha, relatou o Escritório Federal de Proteção ao Consumidor e Segurança Alimentar (BVL).

No entanto, nenhuma das 74 amostras excedeu o limite legal de 600 becquerels de radiação por quilograma.

O reator de Chernobyl, localizado na atual Ucrânia, libertou toneladas de lixo nuclear na atmosfera, causando um aumento do cancro nas regiões ao seu redor.

Segundo o BVL, o material radioativo permanece nas florestas porque os ecossistemas reciclam nutrientes de forma eficiente, o que significa que os cogumelos selvagens ficarão contaminados por muito mais tempo do que outros produtos agrícolas.

Chernobyl contaminou uma grande parte da Europa quando o seu quarto reator explodiu em abril de 1986, sendo a região em torno da usina a mais afetada.

Redação / IC