A Indonésia considera “injusto” o acordo alcançado na COP26 para acabar com a desflorestação, isto apesar de o ter assinado dias antes.

Forçar a Indonésia a acabar com a desflorestação até 2030 é inapropriado e injusto. O grande desenvolvimento da era do presidente Joko Widodo não pode parar em nome da redução das emissões de carbono e da desflorestação”, escreveu Siti Nurbaya Bakar, ministro do Ambiente do país, numa publicação no Facebook, citada pelo The Guardian.

O país-arquipélago é a casa da terceira maior floresta tropical do mundo. No entanto, desde a década de 1960, cerca de metade da área florestal deu lugar a plantações comerciais, como as de óleo de palma, destruindo o habitat de milhares de espécies.

Segundo o governo local, novas políticas adotadas têm diminuído a percentagem anual de floresta destruída. No ano passado, registou-se mesmo a taxa mais baixa de desflorestação desde os anos 90.

Apesar dessa redução, mais vincada a partir de 2015, as florestas indonésias ainda estão a diminuir.

De acordo com dados da Global Forest Watch, a floresta primária - florestas antigas não perturbadas pela atividade humana – na Indonésia cobria, em 2001, uma área semelhante à do Egito. Em 2020, essa área tinha reduzido em cerca de 10%.

Pedro Falardo