O líder do regime norte-coreano poderá estar prestes a fazer um anúncio de grande importância para o país. Essa é, pelo menos, a convicção dos especialistas em assuntos internacionais perante a divulgação das imagens de Kim Jong-un no monte Paektu: sempre que foram tomadas decisões relevantes, o líder visitou aquela que é considerada a montanha sagrada para os norte-coreanos. 

Nas fotografias agora divulgadas pela agência estatal KCNA, Kim Jong-un surge num passeio equestre, montado num cavalo branco e passeando "sobre as primeiras neves", indica a legenda, que acrescenta que, durante a subida, o líder do regime "recordou com profunda emoção o caminho de árdua luta percorrido" para construir "o mais poderoso país".

A anterior visita de Kim ao monte sagrado foi em dezembro de 2017, antes de o regime decidir negociar o desarmamento nuclear com os Estados Unidos. Em novembro de 2014, a visita assinalou o final do período de três anos de luto declarado pela morte do anterior líder, Kim Jong-il (pai de Kim Jong-un), e em fevereiro de 2013 Kim foi ao monte sagrado por ocasião da execução do número dois do regime, o seu tio Jang Song-thaek.

Reza a lenda que foi no monte sagrado de Paektu que nasceu Dangun, o fundador do primeiro império coreano, e que Kim Il-sung, avô do atual líder, organizou a resistência contra os japoneses. 

Recorde-se que, nesta altura, as negociações entre Estados Unidos e Coreia do Norte parecem ter chegado a um impasse: Pyongyang acusou Washington de exigir desarmamento sem oferecer um alívio das sanções e interrompeu as reuniões que tiveram lugar há cerca de duas semanas em Estocolmo, na Suécia, sem dar sinal de querer retomá-las, apesar do convite dos Estados Unidos.