Os governos da Alemanha e Dinamarca anunciaram, esta quarta-feira, a prorrogação das medidas de confinamento e distanciamento social até 3 de maio, como medida de contenção da pandemia de Covid-19.

Apesar do distanciamento social ter sido prorrogado por Angela Merkel até ao próximo mês, a Alemanha está gradualmente a implementar medidas de regresso à normalidade, nomeadamente:

  • Escolas vão reabrir gradualmente, com prioridade para os finalistas da escola primária e secundária.
  • Jardins-de-infância e creches vão continuar encerrados.
  • Recomendação do uso de máscaras em lojas e transportes públicos.
  • Grandes eventos, como jogos de futebol, vão estar proibidos até 31 de agosto-
  • Missas e celebrações religiosas continuarão proibidas.
  • Restautantes, bares, cafés, cinemas e salas de espetáculo continuarão encerrados.
  • Comerciantes com lojas de dimensão inferior a 800 metros quadrados vão poder reabrir a partir de 20 de abril, sob restrições de distanciamento social e regas de higiene.
  • Controlo de fronteiras estende-se por mais 20 dias

Já na Bélgica, as medidas de contenção continuam mais apertadas, à exceção da reabertura de lojas e visitas a lares, anunciou a primeira-ministra Sophie Wilmès. Entre as medidas, foi decidido:

  • Centros de jardinagem e lojas de bricolage podem reabrir, nas mesmas condições de distanciamento social que os supermercados.
  • Os utentes de lares de idosos podem receber um visitante, previamente designado, desde que essa pessoa não tenha apresentado sintomas de doença nas últimas duas semanas.
  • Não haverá eventos de massas, como festivais de verão, até pelo menos 31 de agosto.
  • A polícia continuará a punir as pessoas que violem as medidas de contenção.

A pandemia da Covid-19 ultrapassou os dois milhões de infetados em todo o mundo, levando à morte de quase 127 mil pessoas, desde que a doença surgiu em dezembro na China, segundo um balanço da AFP às 10:00 horas.

De acordo com os dados da agência de notícias francesa, a partir de dados oficiais, foram registadas 126.871 mortes e pelo menos 2.000.576 casos de infeção, especialmente na Europa.

O continente europeu continua a ser o mais afetado com 1.010.858 casos e 85.271 mortos.

Rafaela Laja