O primeiro-ministro do Reino Unido anunciou esta segunda-feira o regresso a um confinamento total em Inglaterra. A decisão do governo britânico surge na sequência do disparar de casos diários de covid-19, com a última semana a registar mais de 50 mil infeções diárias.

Boris Johnson adiantou ainda que esta decisão está relacionada com a descoberta de uma nova variante do coronavírus que pode ser entre 50% a 70% mais contagiosa, e que tem feito disparar os contágios no país.

O governante disse que o país está num “momento crítico” e que são necessárias medidas “fortes o suficiente” para travar o avanço da nova variante do coronavírus, considerada mais infecciosa. 

O governo está a dar instruções novamente para ficarem em casa. Só podem sair de casa por motivos restritos previstos na lei, como comprar bens essenciais, trabalhar se não o puder fazer de casa, fazer exercício, ter assistência médica, ou escapar a violência doméstica”, anunciou numa comunicação televisiva. 

O conselho do governo é claro: "Fiquem em casa e protejam vidas". Como exceção ao confinamento estão previstas cinco situações:

  • trabalho, em casos em que o teletrabalho não seja possível, como é o caso do setor da construção civil ou de trabalhadores essenciais nos locais de trabalho;
  • para comprar bens de primeira necessidade como comida e medicamentos;
  • para praticar exercício perto de casa, apenas uma vez por dia. Este ponto inclui contacto com uma pessoa fora do agregado familiar;
  • para dar assistência ou ajudar pessoas vulneráveis, como sejam idosos ou pessoas com necessidades;
  • para ir a consultas médicas ou receber cuidados de saúde, ou para fugir de ameaças ou de situações de violência.

Relativamente ao funcionamento dos serviços, todas as escolas, incluindo universidades, vão passar ao ensino à distância a partir desta terça-feira.

As pessoas que estejam mais vulneráveis devem permanecer o máximo de tempo em casa, sendo que não devem deslocar-se para o trabalho, mesmo em casos em que não consigam exercer as suas funções em teletrabalho.

Trata-se do confinamento mais agressivo desde março, altura em que toda a Europa adotou medidas para combater o novo coronavírus. É esperado que estas medidas durem pelo menos até meados de fevereiro.

O Reino Unido registou 58.784 novos casos de covid-19 nas últimas 24 horas, um novo máximo diário e o sétimo dia consecutivo em que o número diário de casos ultrapassou 50.000, e 407 mortes, para um total de 75.431 mortes desde o início da pandemia. 

Nos últimos dias a média diária de casos aumentou 50% e de mortes 21% comparando com os sete dias anteriores.

 O Parlamento foi convocado para se reunir extraordinariamente na quarta-feira e aprovar as medidas a nível nacional.

António Guimarães