O primeiro-ministro do Reino Unido foi esta sexta-feira vacinado contra a covid-19. Boris Johnson tomou a primeira dose com o produto da AstraZeneca, que tem estado envolto em polémica na União Europeia, mas que é a vacina de bandeira em terras de Sua Majestade, não fosse produzida em parceria com a Universidade de Oxford.

Boris Johnson recebeu assim uma das 26 milhões de doses administradas em todo o país desde o início da campanha de vacinação, que começou a 8 de dezembro.

Não senti literalmente nada, então foi algo muito bom, rápido, e posso recomendar vivamente [a vacina] a toda a gente", afirmou.

Antes disso, o primeiro-ministro francês foi vacinado também com o mesmo produto. Em França, a atitude de Jean Castex foi vista como tentativa de dar confiança à população, depois de vários países da União Europeia terem suspendido a vacinação com AstraZeneca, na sequência de alguns casos de reações adversas em pessoas vacinadas.

França foi um dos países a suspender a vacinação, tal como Portugal. Depois de a Agência Europeia do Medicamento ter vindo atestar a eficácia e segurança da vacina, esses mesmos países decidiram levantar a suspensão.

No dia seguinte, esta sexta-feira, Jean Castex apressou-se a ser vacinado contra a covid-19 com o produto da AstraZeneca.

Ainda antes dos líderes de Reino Unido e França, o  primeiro-ministro português recebeu a primeira dose da vacina da AstraZeneca.

Já esta sexta-feira, a chanceler alemã, Angela Merkel, anunciou que iria receber a vacina da AstraZeneca.

Sim, vou receber a vacina da AstraZeneca", revelou, em conferência de imprensa.

Mais tarde, também o primeiro-ministro italiano, Mario Draghi, anunciou que ia receber a vacina da AstraZeneca.

Esta retoma surge como uma clara mensagem política de que deve haver confiança na vacina da farmacêutica anglo-sueca.

António Guimarães