O Ministério da Saúde brasileiro fez esta quarta-feira o balanço da situação de Covid-19 no país. Com mais 1.185 mortes registadas, o total passa a 53.830, reforçando a posição do Brasil como o segundo país com mais óbitos causados pela pandemia.

Segundo a tutela, 486 das 1.185 mortes ocorreram nos últimos três dias, mas foram incluídas nos dados de hoje, estando ainda a ser investigada uma eventual relação de 3.904 óbitos com a doença.

Reforçada sai também a posição como segundo país com mais casos confirmados. São 42.725 contágios registados nas últimas 24 horas, o que totaliza 1.188.631 casos positivos do novo coronavírus.

O aumento dos doentes recuperados continua a ser o único fator positivo. Com 649.908 recuperados, isso significa que mais de metade do total de casos confirmados já não se encontram ativos.

De acordo com o executivo, a letalidade da doença no Brasil, segundo país do mundo com mais mortos e infetados, desceu para 4,5%.

São Paulo, foco da pandemia no país, concentra oficialmente 238.822 casos de infeção e 13.352 vítimas mortais.

Seguem-se os estados Rio de Janeiro, que acumula 103.493 infetados e 9.295 vítimas mortais, o Ceará, que tem hoje 99.578 casos confirmados e 5.815 mortes, e o Pará, que contabiliza oficialmente 91.708 contágios e 4.726 óbitos devido à Covid-19.

Em todo o território brasileiro, 25 das 27 unidades federativas do país já ultrapassaram a barreira dos 10 mil casos de contágio e nove já registaram mais de mil mortes.

O Brasil tem uma incidência de 25,6 mortes e 565,6 casos da doença por cada 100 mil habitantes, numa nação com uma população estimada de 210 milhões de pessoas, informou o Governo.

António Guimarães / com Lusa