O Ministério da Saúde do Brasil fez esta terça-feira a atualização da situação de Covid-19 no país, revelando números que continuam a ilustrar o descontrolo da pandemia. Com mais 1.374 mortes registadas nas últimas 24 horas, o total de vítimas mortais subiu para 52.645.

De acordo com o executivo, 556 das 1.374 mortes ocorreram nos últimos três dias, mas foram incluídas nos dados de hoje.

Foram registados 39.436 novos casos, o que resulta num total de 1.145.906 diagnósticos confirmados. O Brasil é o segundo país com mais casos e mais óbitos pelo novo coronavírus, apenas atrás dos Estados Unidos.

As boas notícias chegam dos casos recuperados, que são já 613.345, o que faz com que mais de metade do total de casos registados já não estejam ativos.

Segundo a tutela da Saúde, a letalidade da doença no país sul-americano mantém-se nos 4,6%, registando uma incidência de 25,1 mortes e 545,3 casos de Covid-19 por cada 100 mil habitantes (a população do Brasil é de cerca de 210 milhões de pessoas).

O foco da pandemia no país é o estado de São Paulo, que concentra 229.475 casos de infeção e 13.068 vítimas mortais, tendo registado nas últimas 24 horas um recorde de mortes.

Aquele que é o estado mais rico e populoso do país contabilizou hoje 434 óbitos, o maior número diário desde o começo da pandemia. Já o número de casos confirmados subiu de 221.973 para 229.475, um aumento de 7.502 infetados pela covid-19.

De acordo com o coordenador-executivo do Centro de Contingência de São Paulo, João Gabbardo, o número está dentro da projeção feita pelo organismo, de que o estado deve atingir 15 mil a 18 mil mortes até ao final do mês.

António Guimarães / com Lusa