O Ministério da Saúde do Brasil fez esta terça-feira a atualização dos números relativos à pandemia Covid-19 no país.

Com um novo recorde no número diário de mortos (mais 474), o Brasil passa a totalizar 5.017 óbitos relacionados com o novo coronavírus.

O número de casos também continua a aumentar de forma exponencial, registando-se mais 5.395 contágios em relação ao último boletim. O total de casos confirmados é, agora, de 71.886.

A taxa de letalidade também continua a aumentar, passando de 6,3% para os atuais 6,9%.

Apesar dos números, existe um dado a destacar pela positiva, uma vez que já existem 32.544 doentes recuperados.

O estado mais afetado continua a ser São Paulo, onde já foram registados 2.049 óbitos entre os 24.041 infetados.

A situação é de tal maneira grave que o governo já ordenou a expansão de vários cemitérios, à medida que se continuam a fazer enterros em massa, até durante o período da noite.

Fronteiras aéreas fechadas mais 30 dias

Face ao avançar da pandemia, o governo brasileiro prolongou a proibição da entrada no país de todos os cidadãos estrangeiros por via aérea por mais 30 dias.

A portaria, publicada em edição extra do Diário Oficial da União, prorroga o prazo de uma medida adotada há um mês, que impedia a "entrada" no país sul-americano por via aérea "de estrangeiros, independentemente da sua nacionalidade".

Assinada pelos ministérios da Casa Civil, da Justiça, da Infraestrutura e da Saúde, a resolução frisa que a restrição de entrada não se aplica a cidadãos brasileiros, estrangeiros com parentes diretos brasileiros, imigrantes com residência de caráter definitivo, estrangeiros em missões diplomáticas ou a serviço de organizações internacionais, estrangeiros com entrada autorizada pelo governo brasileiro ou portadores de Registo Nacional Migratório.

Também não se aplica a passageiros que façam escala no país, desde que não saiam da área internacional do aeroporto, assim como a aterragens de aeronaves para abastecimento, quando não houver necessidade de desembarque de passageiros das nacionalidades com restrição.

Ainda de acordo com a nova portaria publicada pelo governo, quem não cumprir poderá ser "responsabilizado de forma civil, administrativa e penal, repatriado ou deportado imediatamente ou inabilitado a pedir refúgio".

Excecionalmente, o estrangeiro que estiver num dos países de fronteira terrestre e precisar atravessá-la para embarcar em voo de retorno ao seu país de residência poderá entrar na República Federativa do Brasil com autorização da Polícia Federal", indica ainda o documento.

A restrição foi adotada após recomendação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), por motivos sanitários relacionados aos riscos de contaminação e disseminação da doença.

A medida complementa outras emitidas no mês passado, que também restringiram a entrada de estrangeiros nas fronteiras terrestres, semelhantes às já adotadas por todos os países vizinhos do Brasil.

António Guimarães / com Lusa