A Direção-Geral da Saúde francesa fez este sábado um novo balanço relativo à pandemia de Covid-19 no país. Segundo o diretor, Jérôme Salomon, há um total de 7.560 mortes registadas.

O número avançado pela autoridade é de 441 óbitos registados nas últimas 24 horas. Mas os números dispararam uma vez que França passou a proceder à contabilização dos óbitos registados em lares de idosos, que são 2.028. A estes somam-se 5.532 vítimas mortais que estavam internadas em hospitais.

Desde o início do surto já foram curadas 15.438 pessoas, mas o número de doentes internados em unidades de cuidados intensivos continua a preocupar. Do total de 28.143 pacientes hospitalizados, 6.838 estão em estado considerado grave e a necessitar de assistência permanente.

O total de casos confirmados é agora de 68.605, o que se traduz numa taxa de letalidade de 11%, uma das mais altas em todo o mundo.

Em conferência de imprensa, Jérôme Salomon afirmou que o país continua à espera de material médico, antes de dizer que "aprendemos com este vírus todos os dias".

A pandemia provocada pelo novo coronavírus teve início na cidade chinesa de Wuhan, no final de 2009. Desde então já matou mais de 60 mil pessoas e infetou mais de 1,2 milhões. A Europa é o continente mais atingido, e regista a esmagadora maioria das mortes. O surto começou por atacar fortemente em Itália, antes de se manifestar de forma grave em Espanha. França parece ser, agora, um dos novos focos de preocupação, uma vez que é o terceiro país europeu (e um dos quatro no mundo) com mais vítimas mortais registadas.

António Guimarães