A Dinamarca vai abater todos os visons criados naquele país, que serão entre 15 milhões a 17 milhões, após ter sido verificada uma mutação do novo coronavírus que infetou 12 pessoas, anunciou esta quarta-feira a primeira-ministra dinamarquesa, Mette Frederiksen.

A líder do executivo dinamarquês argumentou que esta evidência ameaça a eficácia de uma futura vacina contra a doença covid-19, que é provocada por um novo coronavírus (SARS-Cov-2).

A mutação do vírus via visons pode criar o risco da futura vacina não funcionar como deveria (...). É preciso abater todos os visons”, afirmou Mette Frederiksen, numa conferência de imprensa.

Segundo as autoridades dinamarquesas, a população destes pequenos mamíferos naquele país situa-se entre os 15 milhões e os 17 milhões.

A Dinamarca segue o exemplo dos Países Baixos que, em agosto passado, decretaram o fim da prática de criar visons para a indústria de peles naquele país, após o registo de vários focos de infeção pelo novo coronavírus em explorações dedicadas à criação destes pequenos mamíferos.

Em junho passado, e após suspeita de transmissão do novo coronavírus a pessoas, também as autoridades holandesas ordenaram o abate de vários milhares de visons.

Já em maio, as autoridades holandesas já tinham decidido proibir o transporte de peles de visons em todo o país, depois da divulgação do caso de dois trabalhadores de uma exploração localizada na zona do sul dos Países Baixos que teriam contraído o novo coronavírus através daqueles pequenos animais.

Na altura, a Organização Mundial da Saúde (OMS) afirmou, e perante as suspeitas, que estas possíveis contaminações poderiam ser os "primeiros casos conhecidos de transmissão" do novo coronavírus de animais para seres humanos.

Vison ou marta é a designação comum a várias espécies de mamíferos mustelídeos, que se assemelham às doninhas da América do Norte.

/ AG