Pelo menos 43 mil pessoas receberam um falso resultado negativo no teste de despiste à Covid-19, no Reino Unido, avançou a agência de segurança da saúde daquele país, acrescentando que irá suspender a atividade de um laboratório privado na cidade de Wolverhampton.

O NHS (Serviço Nacional de Saúde britânico) suspendeu a operação de testagem providenciada pela Clínica Médica Immensa, em Wolverhampton”, avançou a Agência de Segurança de Saúde do Reino Unido.

A decisão ocorre depois de terem sido investigadas denúncias de pessoas que receberam um teste PCR negativo feito após um teste rápido que deu um resultado negativo. 

Pelo menos 400 mil amostras foram produzidas e processadas por aquele laboratório privado, sendo que a vasta maioria teve resultados negativos. Mas as autoridades estimam que 43 mil pessoas podem ter recebido um resultado incorreto em testes PCR realizados entre 8 de setembro e 12 de outubro, principalmente na zona sudoeste de Inglaterra.

Na sequência disto, o NHS está a contactar os afetados pelo erro na testagem e a aconselhá-los a realizar novos testes de despiste.

 

 

As autoridades dizem, no entanto, que este foi um incidente “isolado” e atribuído a um único laboratório, sublinhando que todas as amostras estão a ser redirecionadas para outros laboratórios.

Will Welfare, diretor de incidentes de saúde pública da Agência de Segurança de Saúde do Reino Unido disse que não há evidências de falhas nos próprios kits de teste antigénio ou PCR e que as pessoas devem permanecer confiantes em usá-los em outros laboratórios”.

Welfare falava depois de alguns testes de PCR realizados num local gerido pelo governo na cidade de Berkshire terem também apresentado falsos negativos.

 

Já a autarquia de Berkshire disse, em comunicado, que alguns dos testes feitos no centro Newbury Showground, operado pelo Departamento de Saúde e Assistência Social, “tiveram resultados enviados que podem ter sido incorretamente revelados como negativos para a covid-19”.

Depois de receber relatórios de cidadãos nas últimas semanas, informando que existiam preocupações sobre a precisão dos resultados dos testes feitos no centro, redireccionámos essas preocupações para o Departamento de Saúde e Assistência Social, para que conduza uma investigação mais aprofundada”, informou a autarquia.