Espanha registou 143 mortos devido à Covid-19, nas últimas 24 horas. O número foi avançado pelo próprio primeiro-ministro, Pedro Sánchez, este domingo, e entretanto confirmado no comunicado do Ministério da Saúde espanhol. Este é o número de mortes diárias mais baixo desde 18 de março.

Houve 621 novos casos positivos com a doença, um número maior do que no sábado, mas que não põe em causa a tendência de redução dos últimos dias, elevando para 224.390 o total de infetados confirmados pelo teste PCR, o mais fiável na deteção do vírus.

Os dados diários indicam ainda que, nas últimas 24 horas, foram hospitalizados 465 doentes, num total de 122.730 pessoas que precisaram de ser internadas até agora.

O número de mortos devido à Covid-19, em Espanha, desde o início da pandemia é de 26.621.

No sábado, o país já tinha registado uma redução assinalável do número de mortes diárias (179 mortes por comparação com as 229 de sexta-feira). 

Metade da população de Espanha vai passar na próxima segunda-feira à "fase um" do plano de transição de alívio das medidas rígidas aprovadas em meados de março para lutar contra a pandemia de Covid-19.

Esta etapa prevê a abertura do pequeno comércio sem necessidade de marcação prévia, das esplanadas, desde que recebam até um máximo de 50% da ocupação normal, e a possibilidade de até 10 pessoas se poderem reunir dentro ou fora de casa.

No entanto, as duas regiões mais ricas e povoadas do país, Madrid e Barcelona, estão entre as zonas que se vão manter durante mais alguns dias na atual fase zero, em vigor desde a passada segunda-feira, quando foi autorizada a abertura parcial do pequeno comércio de rua, sempre por marcação prévia e acesso limitado.

A maior parte das províncias espanholas que fazem fronteira com Portugal passam para a fase um, com a exceção de vários municípios espanhóis da comunidade autónoma de Castela e Leão.

O levantamento das medidas em vigor que restringem a mobilidade dos cidadãos só deverá terminar no fim da fase três, prevista para os últimos dias de junho ou os primeiros de julho.

Sofia Santana / atualizada às 10:41