O governo francês está a estudar o prolongamento do estado de emergência no país até 16 de fevereiro de 2021, com algumas restrições a puderem prolongar-se até abril, devido à covid-19, indicou esta quarta-feira o executivo.

Numa conferência de imprensa, o porta-voz do Governo francês, Gabriel Attal, adiantou que na reunião desta quarta-feira do Conselho de Ministros foi decidido submeter ao Parlamento um documento para prolongar o estado de emergência até 16 de fevereiro do próximo ano, altura em que poderão tomar-se novas medidas.

A Assembleia Nacional francesa vai reunir-se excecionalmente no sábado e no domingo para analisar o projeto de lei, que seguirá, depois, para o Senado.

O estado de emergência entrou em vigor em França no sábado por um período de pelo menos um mês.

“Tal como desde o início da pandemia, tomaremos decisões adaptando-nos à evolução da doença”, referiu Attal, adiantando que o texto inclui a ideia de que as restrições à circulação e à reunião, bem como o encerramento antecipado do comércio poderão prolongar-se até abril do mesmo ano.

O porta-voz do Governo francês admitiu que vários departamentos do país poderão entrar em alerta máximo dos próximos dias, que se juntarão no recolher obrigatório já imposto na região de Paris e nas cidades de Lyon, Lille, Grenoble, Rouen, Montpellier, Saint-Étienne, Toulouse e Marselha.

Entre as novas cidades que podem ter recolher obrigatório estão Estrasburgo, Clemond-Ferrand e Nimes, onde a taxa de incidência da covid-19 atingiu os 322 casos por cada 100 mil habitantes.

O primeiro-ministro francês, Jean Castex, e o ministro da Saúde, Olivier Véran, vão estar na quinta-feira na apresentação semanal da situação epidémica no país para anunciar a aplicação das novas medidas.

Naterça-feira, França registou 185 mortes e 20.468 novas infeções com o novo coronavíerus, que provoca a doença da covid-19, elevando o número acumulado de casos desde o início da epidemia para 930.745 e o número de mortes para 33.885 pessoas.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 1,1 milhões de mortos e mais de 40,8 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

/ RL