Itália decidiu esta quinta-feira suspender a vacinação com um lote da vacina da AstraZeneca, isto depois de terem sido confirmadas duas mortes de pessoas inoculadas.

Segundo a agência Reuters, dois homens morreram na Sicília pouco depois de terem sido vacinados.

A Agência Italiana de Medicamentos (Aifa) confirmou que a suspensão do lote é uma medida "preventiva", avisando que não há quaisquer ligações provadas entre as mortes e a vacinação.

A primeira morte foi registada num oficial da marinha, que tinha 43 anos e morreu de ataque cardíaco no dia a seguir a tomar a vacina.

A segunda morte foi registada ainda antes. Trata-se de um polícia com 50 anos, que faleceu 12 dias depois de tomar a vacina, tendo ficado doente cerca de 24 horas depois de tomar a injeção.

Itália torna-se assim no sexto país a suspender a vacinação com o lote ABV5300 da vacina AstraZeneca após a morte de uma pessoa inoculada.

O lote ABV5300 foi distribuído a 17 Estados-membros e é composto por um milhão de doses. O lote em questão não é utilizado em Portugal.

Também esta quinta-feira, Dinamarca, Noruega e Islândia anunciaram a suspensão da vacinação contra a covid-19 com todos os lotes da AstraZeneca.

Entretanto, a Agência Europeia do Medicamento (EMA) afirmou esta quinta-feira que não existem provas, até ao momento, de um aumento de risco de coagulação sanguínea em pessoas vacinadas contra a covid-19.

As informações disponíveis até ao momento indicam que o número de tromboembolias em pessoas vacinadas não é superior ao observado em toda a população”, referiu a EMA numa nota enviada à agência noticiosa France-Presse.

António Guimarães