A Itália ultrapassou a barreira das 60 mil mortes relacionadas com a pandemia de covid-19 e 1,7 milhões de infetados, segundo o último relatório divulgado.

Desde o início da pandemia, o país registou 1.728.878 casos de infeção e 60.078 mortes, avançou hoje o Ministério da Saúde.

Apesar das medidas avançadas pelo executivo para travar o risco de contágio, o número diário de óbitos permanece, em média, em 700.

Na quinta-feira, Itália atingiu o número recorde de 993 mortes.

Com um óbito por cada mil habitantes e uma taxa de mortalidade de 3,47%, a Itália apresenta um dos piores registos da Europa.

Se baixarmos a guarda [durante o Natal] corremos o risco de ter um novo surto entre janeiro e fevereiro”, alertou o ministro da Saúde, Roberto Speranza, em declarações ao canal SkyTG24.

Na quinta-feira, o primeiro-ministro, Giuseppe Conte, anunciou um conjunto de novas restrições a aplicar durante a época de Natal, como a proibição de viagens entre regiões de 21 de dezembro a 06 de janeiro.

Está igualmente proibida a deslocação entre municípios nos dias 25 e 26 de dezembro, bem como em 01 de janeiro.

O recolher obrigatório entre as 22:00 e as 05:00 vai continuar em vigor até à véspera de ano novo.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.529.324 mortos resultantes de mais de 66,4 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

/ RL