As Nações Unidas decidiram cancelar todas as reuniões presenciais após um Estado-membro da organização ter reportado cinco casos de infeção pelo novo coronavírus entre os funcionários da sua missão de representação, foi esta terça-feira divulgado.

O presidente da Assembleia-Geral das Nações Unidas, Volkan Bozkir, enviou hoje uma carta a informar os 193 Estados-membros da organização sobre esta decisão, que foi tomada após uma recomendação da unidade médica da ONU.

Na missiva, Volkan Bozkir não identificou o Estado-membro que relatou os cinco casos da doença covid-19.

No entanto, fontes diplomáticas, citadas pela agência Associated Press (AP) e que falaram sob condição de anonimato, indicaram que o país em questão é o Níger.

O embaixador do Níger junto da Organização das Nações Unidas (ONU), Abdou Abarry, conta com uma equipa de 17 pessoas, de acordo com o último diretório da organização liderada pelo secretário-geral, António Guterres.

O porta-voz da Assembleia-geral das Nações Unidas, Brenden Varma, indicou, entretanto, que o rastreamento de contactos deverá “ser feito de forma rápida e eficiente".

Recentemente, o porta-voz do secretário-geral da ONU, Stephane Dujarric, precisou que entre 1.300 e 1.400 pessoas entram diariamente no edifício da sede das Nações Unidas, em Nova Iorque.

A pandemia da doença covid-19 já provocou mais de 1,1 milhões de mortos e mais de 43,5 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus (SARS-Cov-2) detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

/ RL