O secretário-geral da ONU pediu esta segunda-feira aos governos que tenham em conta mil milhões de pessoas com deficiência nas diferentes respostas à pandemia de Covid-19. 

Em tempos normais, estas pessoas já têm dificuldades no acesso à educação, a cuidados de saúde e ao trabalho, lembrou António Guterres, num comunicado publicado ao mesmo tempo que um estudo da ONU sobre este grupo populacional. 

"A pandemia reforça as desigualdades, ao colocar novas ameaças", salientou o português, destacando a vulnerabilidade dos deficientes perante a covid-19. 

Peço aos governos que coloquem os deficientes no centro da resposta à Covid-19 e da reconstrução económica, que sejam consultados e também beneficiários dos esforços desenvolvidos para combater a doença", acrescentou António Guterres. 

Para o chefe da ONU, é necessário "garantir direitos iguais para os deficientes para que possam ter acesso aos cuidados e às medidas tomadas para salvar vidas durante a pandemia". 

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias France-Presse (AFP), a pandemia de covid-19 já provocou mais de 256 mil mortos e infetou quase 3,6 milhões de pessoas em 195 países e territórios. 

Mais de um 1,1 milhões de doentes foram considerados curados.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Para combater a pandemia, os governos mandaram para casa 4,5 mil milhões de pessoas (mais de metade da população do planeta), encerraram o comércio não essencial e reduziram drasticamente o tráfego aéreo, paralisando setores inteiros da economia mundial.

Face a uma diminuição de novos doentes em cuidados intensivos e de contágios, alguns países começaram a desenvolver planos de redução do confinamento e em alguns casos a aliviar diversas medidas.

/ RL