À medida que a pandemia de Covid-19 vai alastrando por todo o mundo, ainda existem alguns países que não registaram um único caso do novo coronavírus. Um desses países é também um dos estados mais repressivos do mundo: o Turquemenistão.

O país da Ásia Central alega ter ainda zero casos de coronavírus. Mas podem as organizações de saúde confiar nos números fornecidos por um governo conhecido pela censura?

De acordo com a BBC, muitos especialistas estão preocupados com o facto do governo deste país estar a esconder a verdade, ao omitir casos positivos, e assim atrapalhar as tentativas de erradicar a pandemia de Covid-19. 

"As estatísticas oficiais de saúde do Turquemenistão não são confiáveis", disse o professor Martin McKee, da Escola de Higiene e Medicina Tropical de Londres, que estudou o sistema de saúde do Turquemenistão.

Enquanto o mundo luta contra a pandemia e são cada vez mais os países que restringem as suas populações, a vida quotidiana do Turquemenistão continua normal. Esta terça-feira, o país até realiza uma prova de ciclismo em massa para celebrar o Dia Mundial da Saúde.

Muitos no Turquemenistão têm medo de sequer sugerir que o Covid-19 já esteja no país:

Um conhecido meu que trabalha no governo disse-me que eu não devia dizer que o vírus está no Turquemenistão ou que ouvi falar nisso, caso contrário, posso vir a ter problemas", disse um habitante de Ashgabat, capital do país, que pediu para não revelar a identidade.

As autoridades turquemenas estão, no entanto, a trabalhar para combater um possível surto em conjunto com a ONU no país, e a elaborar um plano de contingência.

A coordenadora residente da ONU no país, Elena Panova, disse à BBC que o plano inclui coordenação a nível nacional, comunicação de riscos, investigação de casos, diagnóstico de laboratório e outras medidas.

Ainda assim, quando questionada se a ONU confiava nos dados oficiais que mostram que o Turquemenistão não tem casos confirmados de Covid-19, Elena Panova evitou dar uma resposta direta.

"Estamos a confiar em informações oficiais, porque é isso que todos os países estão a fazer", disse a responsável, acrescentando que esta "não é uma questão de confiança, porque é assim que funciona".

Panova explicou também que as medidas antecipadas para restringir as viagens podem ter contribuído para a falta de casos confirmados.

Esta não é a primeira vez que o governo do Turquemenistão tenta ocultar dados relacionados com a saúde. Na década passada, alegaram que não existia um único infetado com HIV/Sida no país.

Na década passada, o governo do Turquemenistão alegou não ter pessoas com HIV/Sida, um número que não é plausível. Também sabemos que, nos anos 2000, ocultaram as provas de uma série de surtos, incluindo a peste", contou Martin McKee.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 1,3 milhões de pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 73 mil.

Dos casos de infeção, cerca de 250 mil são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

/ RL