A Turquia reteve um avião com equipamentos médicos e sanitários, incluindo cerca de 150 ventiladores, que tinha Espanha como destino, para fazer face à pandemia Covid-19. A revelação foi feita esta sexta-feira pelo El Mundo e confirmada pela ministra dos Negócios Estrangeiros espanhola, Arancha González Laya, que afirmou, durante uma conferência de imprensa, já estar em contacto com as autoridades turcas para resolver a questão.

Estamos em contacto com as autoridades turcas. Eu mesma falei com o meu homólogo mais de três vezes esta semana. Fruto deste esforço, já recebemos um voo com máscaras e óculos. Mas há um carregamento que, por agora, não vai sair da Turquia porque o governo turco entende que é uma prioridade para o tratamento dos seus doentes", referiu.

Segundo a governante, a decisão do governo turco prende-se com o facto de o país precisar deste tipo de materiais, nomeadamente os ventiladores.

Ainda assim, Arancha González Laya garantiu que ficou acordado que os ventiladores serão disponibilizados a Espanha durante as próximas semanas. O outro avião a que a ministra se refere já descarregou 250 mil máscaras faciais, 20 máscaras anatómicas, 750 viseiras, dois mil equipamentos de proteção e mil litros de fluido antibacteriano.

Segundo o diário El Mundo, este material foi comprado pelo Ministério da Saúde espanhol e terá sido fabricado por uma empresa espanhola na Turquia, depois de ter sido importado material da China. Já com os ventiladores no avião, as autoridades turcas terão impedido a saída do mesmo, numa situação que terá acontecido no passado sábado.

O governo regional de Castela garantiu, através de comunicado oficial, que o equipamento custou cerca de três milhões de euros, e que inclusivé já teria sido pago por Espanha. O executivo daquela região espera que Espanha emita uma queixa diplomática.

Estes materiais destinam-se ao reforço das unidades de cuidados intensivos espanholas, onde estão mais de seis mil doentes internados.

Espanha é o segundo país com mais vítimas mortais registadas por Covid-19, e tem grande urgência em receber mais aparelhos de assistência respiratória, que podem ser decisivos na gestão das unidades de cuidados intensivos.

A secretária-geral do partido Ciudadanos, Marina Bravo, afirma que o governo espanhol "não pode dar estes ventiladores por perdidos", uma vez que "estão em jogo as vidas de muitos cidadãos". 

António Guimarães