Uma jovem médica norte-americana morreu de covid-19, no Texas, depois de utilizar a mesma máscara de proteção durante "semanas e semanas, se não meses".

Adeline Fagan, de 28 anos, testou positivo ao novo coronavírus no início de julho e teve de ser hospitalizada durante dois meses, na sequência de sintomas severos da infeção, onde acabou por morrer, a 19 de setembro.

Segundo conta a irmã de Adeline ao The Guardian, a médica tinha estado a trabalhar nas emergências do hospital de Houston, no Texas, e reutilizava o equipamento de proteção "dia após dia devido à escassez".

Embora a origem do contágio que acabou por vitimar a jovem médica não seja clara, a falta de equipamento de proteção tem sido um fator-chave nas mortes de profissionais de saúde nos Estados Unidos.

Adeline é uma dos 250 profissionais de saúde que morreram na região sul e oeste dos Estados Unidos, pontos críticos da pandemia de covid-19 durante o verão, revela um estudo do The Guardian e da Kaiser Health News. 

No total do país, já morreram 12 médicos com idades inferiores a 30 anos, adianta o mesmo estudo. A idade média de morte por covid-19 entre os profissionais de saúde norte-americanos, é de 57 anos, contra os 78 para a população em geral, e num terço dos casos, a morte tem a ver com falta de equipamento protetor adequado.

Nos últimos meses, o sindicato dos enfermeiros norte-americano tem vindo a denunciar o mesmo hospital onde trabalhou Adeline por "violação intencional” dos protocolos de segurança no local de trabalho, incluindo forçar a equipa infetada a continuar a trabalhar.

Na sequência desta escassez de equipamento, a irmã de Adeline conta que a médica "tinha uma máscara N95 com o seu nome escrito”.

Adeline usou a mesma máscara durante semanas e semanas, se não meses e meses”, denuciou a familiar.

The acordo com a CNN, que cita a família da médica, Adeline tinha um historial de asma, doenças do foro respiratório e pneumonia. 

Redação / RL