100 milhões. Este é o número que assusta, e que a cada segundo aumenta. O planeta ultrapassou esta terça-feira os 100 milhões de casos de covid-19 em todo o mundo, sendo que a tendência de contágio se exacerbou nos últimos meses, parecendo manter-se.

A título de exemplo, as últimas 100 horas viram ser diagnosticadas mais de um milhão de pessoas com o novo coronavírus.

As contas são feitas pela Universidade John Hopkins, que dá ainda conta de mais de 2,1 milhões de mortes contabilizadas em todo o mundo.

O número de casos positivos do novo coronavírus duplicou em apenas dois meses e 18 dias, visto que a ‘fasquia’ dos 50 milhões de contágios foi alcançada em 08 de novembro, segundo as contas da mesma instituição.

Os Estados Unidos, com 25.362.794 casos são o país com mais infeções, seguido da Índia, com 10.676.838, e do Brasil, com 8.871.393.

A Rússia, com 3.716.228 casos confirmados, e o Reino Unido, com 3.700.235, fecham o ‘top cinco’ de países mais afetados pela pandemia.

Portugal é o 26.º país do mundo com mais contágios acumulados desde o início da pandemia, com 653.878 casos, de acordo com a Johns Hopkins.

No que diz respeito ao número de mortos, o mundo regista, agora, 2.149.818 óbitos resultantes da pandemia.

Os Estados Unidos lideram também neste indicador, com 423.010 mortos, seguidos do Brasil, com 217.664, da Índia, com 153.587, do México, com 150.273 e do Reino Unido, com 100.358.

Neste campo, Portugal ‘cai’ para o 31.º lugar da lista, com 11.012 mortos, ligeiramente abaixo da Suécia, que contabiliza 11.247 mortos (em 556.289 infeções) no 30.º lugar da lista.

Estes dados ocorrem semanas depois do início das campanhas de vacinação contra a covid-19 em vários países e durante um novo pico de casos a nível mundial, que tem sido relacionado com a deteção de novas variantes do coronavírus, como as detetadas no Reino Unido, Brasil e África do Sul.

António Guimarães / com Lusa