A Alemanha realiza, este domingo, um culto ecuménico em memória das vítimas da covid-19, que será seguido por um ato solene no auditório Konzerthaus, em Berlim, com o discurso principal a ser proferido pelo presidente alemão, Frank-Walter Steinmeier.

As cerimónias contarão com a presença da chanceler alemã, Angela Merkel, do presidente do Bundestag (parlamento), Wolfgang Schäuble, e de representantes dos demais principais órgãos constitucionais do país.

Várias mensagens gravadas de pessoas que perderam entes queridos na pandemia serão transmitidas após o discurso do presidente.

A cerimónia encerra uma semana marcada pela aprovação em conselho de ministros do projeto de lei destinado a padronizar a aplicação de medidas de combate à pandemia.

Estas medidas representam uma limitação da capacidade de ação dos Estados federais, que são responsáveis pela implementação das medidas acordadas.

O objetivo de Merkel é estabelecer restrições homogéneas e uniformes em todo o país, mas alguns Estados já expressaram a sua rejeição a algumas das regras, especialmente em relação ao recolher noturno.

Nas últimas 24 horas, a Alemanha registou 19.185 casos e 67 óbitos, segundo dados do Instituto Robert Koch (RKI).

A incidência semanal continua ligeiramente em alta, com 162,3 casos por 100.000 habitantes, número superior aos 160,7 registados no sábado.

Desde o início da pandemia, o número total de infeções registadas ultrapassa os 3,14 milhões - dos quais 2,8 milhões são pacientes considerados recuperados -, enquanto o número de óbitos ascendeu a 79.914.

A incidência voltou a subir na última semana, após o intervalo registado nas férias da Páscoa, o que se atribui ao facto de serem realizados menos testes nos feriados.

Desde o início de abril, as vacinações foram aceleradas, com a adesão dos médicos de família à campanha de vacinação.

Até a sexta-feira, 21,3 milhões de doses foram administradas, cerca de 15,6 milhões de cidadãos receberam a primeira dose da vacina (19,1% da população), enquanto 5,4 milhões (6,5%) já receberam a segunda dose da vacina.

. / CM