Mais de 100 pessoas ficaram infetadas com o novo coronavírus depois de terem assistido a uma celebração religiosa na Alemanha.

O ministro dos assuntos sociais do estado de Hesse, Kai Klose, confirmou, no domingo, que, pelo menos, 107 fiéis de uma Igreja Baptista na cidade de Frankfurt testaram positivo para a Covid-19.

Inicialmente, foram noticiados 40 casos de infeção, mas, desde sábado, o número de contágios tem vindo a aumentar. O culto presencial ocorreu há cerca de duas semanas, no passado dia 10 de maio.

"A maioria está assintomática ou com sintomas ligeiros", disse, no fim de semana, o diretor do departamento de saúde de Frankfurt, Rene Gottschalk.

Segundo a agência de notícias alemã DPA, seis pessoas tiveram de ser hospitalizadas, mas as autoridades de Frankfurt confirmam apenas "um internamento".

Os paroquianos doentes são na sua maioria de Frankfurt e de três localidades vizinhas. As autoridades estão a contactar todas as pessoas que estiveram presentes no encontro, bem como a rastrear os seus contactos.

Um dos responsáveis pela congregação afetada, Wladimir Pritzkau, garantiu que foram cumpridas todas as regras de higiene e desinfeção e que os fiéis respeitaram o distanciamento entre si, de 1,5 metros.

Desde 1 de maio que é possível realizar celebrações religiosas, com algumas regras, no estado alemão de Hesse.

"Esta situação mostra a importância de que todos devemos estar alerta e evitar comportamentos irresponsáveis, especialmente durante o alívio das restrições. O vírus ainda está aqui e pode continuar a propagar-se", alertou Kai Klose.

No sábado, foram conhecidos os primeiros casos de contágio em restaurantes no país.

Segundo os últimos dados do Instituto Robert Koch, há mais de 8.250 mortos e mais de 178.500 infetados na Alemanha.

 
 
Catarina Machado