Inglaterra foi o país com maior excesso de mortalidade na Europa durante a pandemia de Covid-19, muito acima de Portugal e apesar de Espanha ter registado um pico mais elevado, segundo uma análise publicada pelo instituto de estatísticas britânico, nesta quinta-feira. 

Segundo o estudo do instituto de estatísticas britânico (ONS), que abrangeu o período entre 28 de dezembro de 2019 e 12 de junho de 2020 e analisou dados de 29 países, incluindo Portugal, Inglaterra atingiu um excesso de mortalidade de 107,6% em meados de abril, enquanto Espanha chegou aos 138,5% no final de março. 

Em Portugal, o excesso de mortalidade mais elevado aconteceu no início de abril, quando subiu até 17,8%. 

A análise, feita a partir de dados reunidos pelo instituto de estatísticas da União Europeia, a Eurostat, concluiu que a pandemia causou um aumento extraordinário das taxas de mortalidade no primeiro semestre de 2020 na Europa Ocidental. 

O pico mais alto de excesso de mortalidade a nível nacional foi em Espanha, tendo algumas áreas no norte de Itália e no centro de Espanha atingido níveis de excesso de mortalidade 847,7% acima da média”, disse o analista Edward Morgan.

O estudo conclui que o Reino Unido não registou um pico tão elevado nem tão localizado como na maioria do resto dos países europeus, tendo o excesso de mortalidade sido geograficamente espalhado de forma relativamente uniforme nas quatro nações britânicas: Inglaterra, Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte.

Porém, a descida mais lenta da curva no Reino Unido significa que, até o final de maio, a Inglaterra registou o maior excesso geral de mortalidade relativa comparando com os outros países europeus.

De acordo com estatísticas oficiais, o excesso de mortalidade, que inclui todas as mortes resultantes indiretamente da pandemia e compara o valor com a média dos últimos cinco anos, ultrapassou os 64 mil óbitos durante o período da pandemia. 

Este é considerado o melhor indicador do impacto do vírus, pois fornece uma visão ao longo de períodos históricos e inclui a mortalidade por todas as causas, incluindo aquelas que possam ser uma  consequência da crise, como a falta de assistência médica.

Oficialmente, o Reino Unido registou até quarta-feira 45.961 mortes durante a pandemia em 301,455 casos de contágio confirmados. 

Portugal contabiliza pelo menos 1.725 mortos associados à Covid-19 em 50.613 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde (DGS).

/ CM