Os bebés de barrigas de aluguer que estavam retidos na Ucrânia começaram finalmente a ser entregues aos pais. Depois de uma longa espera, consequência do fecho das fronteiras, como medida de contenção da pandemia de Covid-19, as crianças já podem ir ter com as suas famílias.

Existem pedidos de nacionalidades de vários países, e todas as crianças tiveram de passar por um período de quarentena de duas semanas, por forma a confirmar que não estavam infetadas com o novo coronavírus.

Uma das mães para quem a espera acabou foi Andrea Diaz, uma argentina que já tem o seu filho nos braços.

Tivemos de ficar no quarto, nem sequer podíamos sair as regras eram rígidas. E fizemos tudo para conseguir isto. Houve muita ansiedade, frustração e felicidade - foram muitos os sentimentos nos últimos 12 dias. Mas é um final feliz, inacreditável", explicou, em declarações à Reuters.

A gestação de substituição é legal na Ucrânia, e o negócio tem crescido ao longo dos últimos anos. Além da legislação, este mercado tem crescido no país devido à falta de trabalho, sendo que as maternidades ucranianas também são conhecidas por manterem elevados padrões de higiene e segurança.

Nos últimos anos, a Ucrânia tornou-se mesmo o país líder no mercado das barrigas de aluguer, segundo os representantes da área confirmaram ao The New York Times.

Ao todo, as autoridades estimam que existem mil mães à espera dos seus filhos.

Ao todo, foram 31 os casais que já conheceram as suas crianças, enquanto outras 88 famílias aguardam autorização para viajar até à Ucrânia, onde vão conhecer os bebés.

António Guimarães