Não é necessário usar máscara em atividades ao ar livre - independentemente de a pessoa ser vacinada ou não - desde  que as pessoas estejam sozinhas ou com familiares ou outros elementos da sua bolha, diz o Centro de Controlo e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos, anunciando ainda que as pessoas totalmente vacinadas podem reunir-se em segurança ao ar livre, em pequenos grupos e sem máscara.

A nova orientação faz parte de uma atualização do organismo sobre as atividades mais seguras para os americanos que ainda não foram vacinados e para aqueles que já estão totalmente vacinados, ou seja, que levaram a segunda dose da vacina há pelo menos duas semanas

"No ano passado, passámos muito tempo a dizer aos americanos o que eles não podem fazer, o que não devem fazer", disse a diretora do CDC, Rochelle Walensky, esta terça-feira. "Hoje, vamos dizer-lhes algumas coisas que podem fazer se já estiverem totalmente vacinados."

As pessoas totalmente vacinadas podem, por exemplo, ficar sem máscara durante uma refeição numa esplanada, ainda que estejam com pessoas de outros agregados familiares. No entanto, o CDC considera que esta atividade é menos segura para pessoas não vacinadas, que devem permanecer com máscara, tanto quanto possível, numa refeição ao ar livre.

Mas há outras outras atividades para as quais o CDC ainda recomenda o uso de máscara, mesmo para indivíduos vacinados: por exemplo, a participação em eventos ao ar livre com muitas pessoas, como concertos ou eventos desportivos, a participação em cerimónias religiosas em espaços fechados e os treinos em ginásios.

Aliás, para as atividades no interior, sejam elas quais forem, desde que juntem diferentes agregados familiares, mantém-se a recomendação do uso de máscara para todas as pessoas, quer tenham ou não sido vacinadas.

De uma maneira geral, para as pessoas vacinadas, as atividades ao ar livre são seguras sem máscara. No entanto, continuamos a recomendar a máscara em locais e ambientes lotados, ainda que ao livre, como estádios e concertos onde há possibilidade de manter distância física e onde muitas pessoas não vacinadas podem também estar presentes", disse Walensky. "Vamos manter estas recomendações até que a maioria das pessoas esteja vacinada."

Esta parece ser uma "tentativa do CDC de dar algum tipo de recompensa às pessoas que foram vacinadas e ao mesmo tempo tentar persuadir aquelas que ainda não foram vacinadas ", diz à NBC News William Schaffner, especialista em doenças infecciosas do Vanderbilt University Medical Center em Nashville, Tennessee.

No entanto, os especialistas sublinham que é importante lembrar que as vacinas não são 100% eficazes e que, portanto, até as pessoas totalmente vacinadas devem ter alguns cuidados, sobretudo quando estão em espaços fechados.

A mudança acontece num momento em que mais de metade dos adultos norte-americanos já recebeu pelo menos uma dose da vacina contra a covid-19 e mais de um terço foi totalmente imunizado.

Maria João Caetano