À segunda não foi de vez. O enorme plano de estímulos à economia para conter os impactos do novo coronavírus voltou a ser chumbado no Senado dos Estados Unidos da América (EUA), esta segunda-feira. A contagem final selou 49 votos a favor e 46 contra. O Partido Democrata manteve a sua total oposição ao pacote apoiado pela Casa Branca.

Para complicar as contas, a votação não contou com a participação de cinco senadores que se encontram em isolamento ou de quarentena, depois do senador do Kentucky, Rand Paul, ter testado positivo para o vírus.

Os Democratas consideram que o pacote de resgate de quase 2 biliões de dólares - cerca de 10% do  Produto Interno Bruto dos EUA - não protege os trabalhadores. Em causa está a falta de supervisão relativamente a uma tranche de 500 mil milhões de dólares destinada às empresas e ainda a escassez de verbas para os hospitais e profissionais de saúde, bem como para as autoridades estatais.

As negociações continuam entre Chuck Schumer, líder Democrata no Senado, Mitch McConnell, líder da maioria Republicana no Senado e a Casa Branca, numa altura em que o número de infeções aumenta de dia para dia. Os EUA são já o terceiro pais com mais casos confirmados a nível mundial. 

Face ao impasse, as bolsas norte-americanas também voltaram a fechar a sessão no vermelho.

João Póvoa Marinheiro