Os Estados Unidos vão enviar quatro milhões de doses da vacina contra a covid-19 da AstraZeneca para o México e Canadá, a título de "empréstimo", naquela que será a sua primeira exportação deste género de fármacos.

O anúncio da Casa Branca surge após o governo de Biden ter confirmado que os Estados Unidos têm na sua posse dezenas de milhões de doses da vacina concebida em parceria com a Universidade de Oxford. A própria farmacêutica AstraZeneca acredita que no fim de abril, os EUA vão ter disponíveis 50 milhões de doses.

Porém, e o rasto da controvérsia surge aqui, a vacina da AstraZeneca ainda não foi aprovada pelo regulador norte-americano, a Food and Drug Administration. A vacina ainda está em ensaios clínicos no país e a farmacêutica ainda não fez o pedido para uso de emergência do fármaco.

A posição do governo dos EUA de reservar fármacos que podiam estar a salvar vidas noutros países surge numa altura em que a América do Sul e a Europa enfrentam novos confinamentos e restrições mais apertadas

A Casa Branca afirmou ainda que o Governo norte-americano vai enviar 2,5 milhões de doses das vacinas para o México e 1,5 milhões para o Canadá, na qualidade de “empréstimo”. A prioridade de Joe Biden é a vacinação de todos os norte-americanos, mas o presidente dos Estados Unidos explicou que autorizou o “empréstimo” por reconhecer que o “vírus não conhece fronteiras”.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.682.032 mortos no mundo, resultantes de mais de 121,2 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.