É uma cifra histórica: quase 2 biliões de dólares, aproximadamente 10% do Produto Interno Bruto dos Estados Unidos da América, para conter os impactos económicos provocados pelo surto do novo coronavírus no país. Mas o pacote de estímulos esbarrou no Senado este domingo, depois de uma votação que terminou com 47 votos a favor do Partido Republicano e 47 votos contra do Partido Democrata. Longe, muito longe dos 60 votos necessários para garantir a aprovação.
 
Para o líder Democrata no Senado, Chuck Schumer, o plano inclui “um enorme resgate das empresas sem proteções para os trabalhadores e praticamente sem supervisão”. Além disso, Schumer criticou a escassez de verbas que “os nossos hospitais, cidades, estados e trabalhadores médicos desesperadamente precisam”.
 
Além das divisões políticas, outro factor complica as contas no Senado. Cinco senadores estão de quarentena ou em isolamento. Entre eles, Rand Paul, senador do Kentucky, que testou positivo para o novo coronavírus. 
 
Com estas baixas, a maioria republicana passou de 53 para 48 senadores, algo que amplia a necessidade de um consenso bipartidário já em falta.
 
Uma nova votação no Senado estava prevista para as 13:00 de Washington, D.C, 17:00 de Lisboa.
João Póvoa Marinheiro