A França vai administrar a vacina da AstraZeneca a pessoas com mais de 65 anos, mesmo que tenham outras doenças, anunciou o ministro da Saúde. 

No mês passado, a França tinha aprovado o uso desta vacina apenas para pessoas com menos de 65 anos, justificando essa decisão com a falta de dados sobre os efeitos da vacina em pessoas mais velhas. Desde então, vários estudos têm mostrado que a vacina é eficaz entre os idosos. 

Também o presidente francês Emmanuel Macron tinha dito, em janeiro, que a vacina AstraZeneca era "quase ineficaz" para pessoas de idade mais avançada - uma afirmação fortemente critica por vários cientistas do Reino Unido. Mas depois de uma reunião do Conselho Europeu, na sexta-feira, reconsiderou: "Se esta é a vacina que me oferecem, obviamente eu aceito-a."

O ministro da Saúde francês, Olivier Véran, anunciou agora que pessoas com mais de 50 anos, mesmo que tenham doenças pré-existentes - como hipertensão ou diabetes - poderão obter a vacina Oxford-AstraZeneca em consultórios médicos, hospitais e "em poucos dias" também nas farmácias. No entanto, as pessoas que tenham mais de 75 anos ainda receberão vacinas da Pfizer ou Moderna num centro de vacinação, acrescentou.

O órgão regulador de medicamentos da UE aprovou para todos os adultos, mas cabe a cada país definir sua própria política de implantação. Vários países da UE, entre os quais a Alemanha, ainda limitam a sua aplicação a menores de 65 anos.  A vacina Oxford-AstraZeneca é, no entanto, já usada em todo o Reino Unido. 

Maria João Caetano