A Alta Autoridade de Saúde francesa recomendou, esta terça-feira, uma terceira dose da vacina contra a covid-19 para todas as pessoas com mais de 65 anos.

A terceira dose será também dada aos doentes com comorbilidades associadas a um risco mais grave de hospitalização grave ou morte por covid-19.

A autoridade de saúde francesa, num relatório publicado esta terça-feira, indica que a terceira dose deve ser dada "pelo menos seis meses depois da vacinação completa", com duas doses, ou com uma, no caso da vacina da Janssen.

O ministro da saúde francês, Olivier Véran, já tinha informado que a terceira dose ia ser dada em França a partir de setembro, aos idosos que residem em lares, aos maiores de 80 anos em geral, aos imunodeprimidos e a quem tem comorbilidades associadas a uma forma grave de covid-19.

Até agora, nenhuma farmacêutica solicitou à Agência Europeia do Medicamento (EMA) autorização para uma dose de reforço das vacinas contra a covid-19, afirmou na segunda-feira o regulador europeu, que ainda não decidiu “se e quando” será necessária esta dose suplementar.

“Nesta fase, ainda não foi determinado se e quando será necessária uma dose de reforço para as vacinas covid-19”, adiantou a EMA à Lusa, ao avançar que está a analisar “dados emergentes” que permitam fazer recomendações aos países da União Europeia (UE) sobre os respetivos planos de vacinação.

“Além disso, são esperados nas próximas semanas mais dados das empresas que comercializam as vacinas e a EMA estará a rever as informações do produto com base nisso. No entanto, nenhuma empresa apresentou ainda um pedido à EMA para autorizar uma dose de reforço”, assegurou a mesma fonte.

Catarina Pereira