Genebra anunciou esta quarta-feira que o salário mínimo no cantão suiço será de 4.086 francos, ou cerca de 3.800 euros, após 53% dos 500 mil eleitores terem votado a favor da medida num referendo realizado no domingo.

A remuneração, avançada por alguns meios de comunicação internacional como sendo a mais alta do mundo, foi aprovada num momento em que vários genebreses afirmam ter sofrido perdas económicas drásticas resultantes da pandemia.

A medida impõe que o valor mínimo a ser pago por uma hora de trabalho deve ser de 23 francos suíços, ou 22,50 euros. Por ano, cada trabalhador irá receber no mínimo 49 mil francos, ou 45.359,35 euros.

Michel Charrat, presidente da organização humanitária Groupement transfrontalier européen, descreveu o resultado do referendo como um “marco de solidariedade” com os pobres da cidade.

A pandemia mostrou que certas secções da população suíça não conseguem viver em Genebra. 4 mil francos (3. 702 euros) é o mínimo para que essas pessoas não caiam abaixo do limiar da pobreza”, afirmou Charrat ao jornal The Guardian.

A medida irá beneficiar cerca de 30 mil trabalhadores, dois terços dos quais mulheres.

Os salários na Suíça são definidos pelas autoridades representativas dos 26 cantões e não a nível nacional. 

Segundo o site Expatistan, que detalha o custo de vida nas cidades do mundo com base em dados recolhidos pelos seus utilizadores, Genebra é a segunda cidade mais cara do mundo. Lisboa está em 122º no ranking.