O Centro de Investigação e Saúde da Manhiça (CISM), província de Maputo, sul de Moçambique, vai estudar a eficácia de uma vacina usada contra a tuberculose no país na luta contra a covid-19, anunciou esta sexta-feira a entidade.

O coordenador da Área de Pesquisa de Infeções Respiratórias Agudas no CISM, Nelson Tembe, avançou, em declarações à emissora pública Rádio Moçambique (RM), que a pesquisa vai ser realizada a partir do próximo mês em profissionais de saúde.

"Vamos ver se esta vacina vai diminuir a severidade e a incidência da covid-19. Pode ser que o resultado seja positivo", afirmou Nelson Tembe.

O investigador referiu que estudos realizados noutros países revelaram que vacinas desenvolvidas para o combate à tuberculose podem produzir resultados satisfatórios contra o novo coronavírus.

"É uma vacina contra a tuberculose, mas existe a possibilidade de ter um efeito positivo no combate à covid-19", declarou.

O CISM já reuniu todas as condições para o arranque do estudo em outubro, faltando apenas as necessárias autorizações por parte das autoridades competentes.

Desde o anúncio do primeiro caso, em 22 de março, Moçambique registou um total de 4.207 casos, 26 óbitos e 2.370 pessoas são dadas como recuperadas, segundo as últimas atualizações.

A pandemia de covid-19 já provocou pelo menos 863.679 mortos e infetou mais de 26 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.

/ LF