O jornal The New York Times colocou na capa deste domingo o nome de 1.000 pessoas que morreram por causa da pandemia de Covid-19 nos Estados Unidos. O objetivo é assinalar as quase 100 mil mortes registadas. 

A manchete homenageia as 98.568 vítimas mortais, numa altura em que o país se aproxima da barreira das 100 mil mortes pela Covid-19. 

Ao mesmo tempo, um dos jornais mais conceituados e respeitados no mundo faz uma chamada de atenção para a tragédia que atinge os norte-americanos. Já morreram mais americanos pelo novo coronavírus do que na Guerra do Vietname, por exemplo. 

Uma tragédia que tem sido alvo de um amplo debate interno e também de duras críticas ao Presidente dos Estados Unidos. Apesar dos números não terem ainda estabilizado, e de serem inconstantes, Donald Trump tem insistido para que os Estados retomem a economia e as pessoas voltem ao trabalho. 

Desde que a pandemia atingiu os Estados Unidos, quase 40 milhões de pessoas já perderam o emprego. Alias, só em Abril mais de 20 milhões de norte-americanos ficaram desempregados. É preciso recuar à Grande Depressão, nos anos 30, para observarmos números iguais. 

Como diz o The New York Times, é uma perda incalculável.

Veja também:

Cláudia Évora