O parque de diversões Disneylândia, na cidade de Xangai, leste da China, foi temporariamente confinado, após ter sido apurado que um caso de covid-19 visitou o local.

Em comunicado, publicado na noite de domingo, a Disneylândia anunciou que vai encerrar hoje e terça-feira para “cumprir os requisitos de prevenção e controlo da pandemia”.

As autoridades de Hangzhou, cidade próxima de Xangai, diagnosticaram um caso no sábado que esteve anteriormente no parque da Disneylândia.

Todos os visitantes que estiveram no recinto no domingo ou que pernoitaram num dos seus hotéis devem fazer um teste para o coronavírus antes de poderem sair, e outro, após 24 horas.

Mesmo testando negativo, eles terão que monitorar o seu estado de saúde durante mais 12 dias.

O portal de notícias Caixin destacou que, por volta das 18:30 (11:30, em Lisboa) de domingo havia cerca de 46 mil pessoas no parque.

O governo local encerrou temporariamente a estação de metro que serve o recinto e deu ordens para que todos os visitantes da Disneylândia de Xangai nos dias 30 e 31 de outubro se submetam a testes para o coronavírus o mais rápido possível e não saiam de casa durante pelo menos dois dias.

Eles devem ainda ser submetidos a testes adicionais no segundo, sétimo e décimo quarto dia após o primeiro teste.

Os últimos surtos de covid-19 na China apresentam a maior proporção de casos graves, visto que são causados pela variante delta – considerada a mais contagiosa - e pelo menos 40% dos infetados são pessoas com mais de 60 anos.

China deteta 92 casos nas últimas 24 horas

A China detetou 92 casos de covid-19, nas últimas 24 horas, 59 por contágio local e os restantes oriundos do estrangeiro, anunciaram hoje as autoridades de saúde do país.

Os casos locais foram detetados nas regiões autónomas da Mongólia Interior (seis) e Ningxia (três) e nas províncias de Heilongjiang (27), Gansu (dez), Hebei (nove), Zhejiang (um), Jiangxi (um), Shandong (um) e Qinghai (um).

Os restantes 33 casos foram diagnosticados em viajantes provenientes do estrangeiro, nos municípios de Xangai (leste) e Chongqing (centro) e nas províncias de Zhejiang (leste), Yunnan (sul), Fujian (sudeste), Shandong (leste), Sichuan (centro), Mongólia Interior (norte) e Guangxi (sul).

A Comissão de Saúde da China adiantou que o número total de casos ativos é de 869, entre os quais 33 graves.

Desde o início da pandemia da covid-19, o país registou 97.243 casos da doença e 4.636 mortos.

A covid-19 provocou pelo menos 4.992.831 mortes em todo o mundo, entre mais de 246,31 milhões infeções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

Em Portugal, desde março de 2020, morreram 18.157 pessoas e foram contabilizados 1.090.651 casos de infeção, segundo dados da Direção-Geral da Saúde.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em vários países.

/ PP