A passagem de uma doente assintomática por um elevador está na origem de um surto de Covid-19 com 71 infetados, segundo um estudo chinês divulgado pelo Centro de Controlo e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC, na sigla original).

Aconteceu na província de Heiongjiang, no nordeste da China, a 19 de março, numa altura em que não havia novos casos de infeção há três semanas.

Depois da chegada desta mulher, que tinha regressado dos Estados Unidos, a 19 de março, foram confirmados quatro novos casos de Covid-19 e, a 22 abril, havia já 71 pessoas infectadas.

Testes realizados a posteriori mostraram que a estirpe deste surto era diferente da que circulava na região e no país e comprovaram também que a "paciente 0" esteve infetada com o novo coronavírus, ainda que não apresentasse qualquer sintoma.

Por se tratar de uma viagem ao estrangeiro, a doente assintomática teve de cumprir, no regresso, duas semanas de quarentena em casa, onde morava sozinha, no entanto, antes de isolar-se, utilizou o elevador do prédio.

No mesmo dia, a vizinha de baixo utilizou o elevador, mas sem nunca se ter cruzado com a doente assintomática. E foi, então, que o surto começou a ganhar dimensão.

A 26 de março, a vizinha foi visitada pela mãe e pelo namorado desta, que passaram a noite na sua casa. Três dias depois, o casal esteve numa festa em casa de um amigo, onde estavam também os seus dois filhos.

No dia 2 de abril, o amigo sofreu um AVC e foi hospitalizado. Os filhos acompanharam-no ao hospital e estiveram todos juntos na enfermaria. O pai foi atendido por profissionais de saúde que tinham a seu cargo outros doentes. Também partilhou com profissionais de saúde e doentes o micro-ondas. A 6 de abril foi transferido para um segundo hospital por apresentar febre, e, uma vez mais, os filhos acompanharam-no.

A 7 de abril, o namorado da mãe da vizinha apresentava sintomas de Covid-19 e dois dias depois foi confirmado como o primeiro caso do surto. Só nesta altura, as autoridades de saúde conseguiram fazer a ligação à "paciente 0". Seguiu-se a mãe da vizinha, a vizinha, o amigo e os filhos do casal, com os quais estiveram numa festa. Nenhuma destas pessoas tinha viajado ou estado em áreas afetadas pelo SARS-CoV-2 nos 14 dias anteriores ao diagnóstico, sugerindo que a infeção teve origem no contacto com terceiros.

A ida do "amigo" da mãe da vizinha ao primeiro hospital resultou em 28 casos positivos, entre os quais cinco enfermeiras e um médico. Outras 20 pessoas foram infetadas no segundo hospital, para onde tinha sido transferido.

A 15 de abril, o Centro de Controlo e Prevenção de Doenças da China analisou a sequência genética de 21 pacientes deste surto, registando 18 genomas iguais e três ligeiramente diferentes, indicando que todos tiveram a mesma origem.

A 22 de abril, a doente assintomática permanecia sem qualquer sintoma de Covid-19 e um total de 71 casos positivos foram identificados com ligação à mesma origem.

Os resultados pretendem demonstrar como um simples caso assintomático pode resultar num surto numa comunidade, onde a doença estava controlada. Mostram também, segundo os investigadores, os desafios que as autoridades enfrentam para conter a Covid-19 e os recursos necessários para poder detetar todos os contactos em risco de contrair a doença.

 
Catarina Machado