Uma mãe nigeriana e os seus quatro filhos recém-nascidos estão no Dubai à espera de poderem regressar ao país de origem, planos que foram alterados devido às restrições de viagens impostas pela pandemia do novo coronavírus.

Tijani Abdulkareem, de 32 anos, contou que a mulher, Suliyah, de 29, deu à luz os bebés – dois meninos e duas meninas – no dia 1 de julho, mas ainda não conseguiu voltar a casa.

O casal, que mora no Dubai, começou a planear mudar-se novamente para a Nigéria quando, em janeiro, descobriram que iam ter quatro bebés.

Desde essa altura que partilham casa com outras pessoas, uma vez que arrendar uma casa maior, com o seu emprego de cozinheiro, diz Abdulkareem, “é muito difícil”.

Acontece que o governo proibiu todos os voos internacionais comerciais quando a pandemia chegou à Nigéria em março, logo após ser detetado o primeiro caso. Neste momento, no espaço aéreo nigeriano, apenas são permitidos voos diplomáticos e voos essenciais.

Abdulkareem diz que as restrições impostas frustraram os seus planos de voltar para casa. Embora sejam realizados voos de repatriamento para a Nigéria a partir do Dubai, “as ligações são pouco frequentes”.

“Achámos que a situação melhoraria, mas o confinamento dificultou-nos a obtenção de um voo”, contou.

Dívidas acumulam-se

O marido de Suliyah contou à CNN que os dois estavam a planear a sua viagem quando a sua mulher entrou em trabalho de parto prematuro e teve de ser sujeita a uma cesariana num hospital da cidade.

Uma chegada antecipada dos bebés que também perturbou as finanças do casal. A mulher, que fazia limpezas num hospital, teve que parar de trabalhar e o seu escasso ordenado não era suficiente para pagar um seguro de saúde.

A família já contraiu dívidas de milhares de dólares desde que os bebés nasceram e a conta continua a aumentar, uma vez que os médicos dizem que os quádruplos terão que permanecer, pelo menos, mais seis semanas no hospital.

O casal já deve cerca de 120 mil dólares e está sujeito a ter que pagar cinco mil dólares diariamente para manter os bebés em incubadoras separadas.

O pai referiu à CNN que eles confiam na boa vontade do hospital e na generosidade da comunidade nigeriana no Dubai.

“O hospital está a ajudar-nos. Já deram alta à minha mulher e estão a fazer o possível para garantir que os bebés estão bem. A comunidade nigeriana também tem sido uma família para nós”, sublinhou Abdulkareem.

Lara Ferin