«Alá ordenou-nos que trabalhássemos e lutássemos pela próxima vida - pelo paraíso. Antes, eu ia para o parque ou para a praia», «mas depois apercebi-me que estava errado- e tomei o caminho certo», contou à BBC.






jihadistas



«Abu Hattab»jihadista

«Eu gosto do Estado Islâmico porque seguem o direito islâmico e matam infiéis, não sunitas, e aqueles que se converteram do islamismo».




«Nunca o encorajei a juntar-se ao Estado Islâmico», conta «Fatima», como prefere ser conhecida. «Eu apoio algumas das suas crenças, mas outras não. Mas penso que eles vieram para ajudar o povo da Síria - ao contrário dos poderes do mal pelo mundo fora».


«Fatima» acrescenta ainda que não a incomodaria se o filho matasse ocidentais, mas fica «envergonhada por os seus outros filhos trabalharem pacificamente para grupos da sociedade civil - eles devem levantar armas», afirma.




Redação / IF